O que é o Movimento Maker?

 

O movimento maker “começou” em 2005 com o lançamento da Make Magazine, contudo ele não é apenas um refrescar da cultura “faça você mesmo”(DIY-do it yourself). A ideia é promover e estimular as pessoas em geral a usarem a sua criatividade e resolverem problemas do dia-a-dia recorrendo à tecnologia já existente e juntá-las às tradições de cada comunidade levando a produtos únicos e soluções diferenciadas.

Os makers ( nome dado aos adeptos deste movimento) procuram assim, construir, arranjar, modificar ou fabricar as suas próprias coisas.

 
DSC01180.jpg
 

o Movimento Maker NA eDUCAÇÃO

O movimento maker na educação tem vindo à muito tempo a anunciar-se. Com John Dewey e a sua “Laboratory school” em 1896 em Chicago, posteriormente Piaget com o construtivismo e finalmente Seymor Pappert, que sintetizou tudo o que Dewey e Piaget defendiam, tornando-se merecedor do título de “pai do movimento maker na educação”.

O futuro do Movimento Maker

“A sociedade em geral ainda não sabe que pode projetar e construir qualquer coisa, e este know-how vai gerar um imenso impacto positivo no planeta. Nos próximos anos mais pessoas terão acesso, conhecerão e juntar-se-ão ao movimento. Mais empresas serão criadas a partir do Movimento Maker, assim como novas tecnologias surgirão.

Hoje, o Movimento Maker já está presente em algumas escolas, universidades, empresas e multinacionais, mas em breve será adoptado por municípios e a maioria das cidades terão um FabLab público equipado com as ferramentas necessárias para que todos possam tirar as suas ideias do papel e ajudar a construir um mundo mais criativo, justo e feliz.”, in https://futuroexponencial.com/movimento-maker/

 

o que é um FabLab

Um FabLab (ou laboratório de fabricação digital é uma oficina de pequena escala equipada com uma panóplia de ferramentas, manuais e controladas por computador e vários materiais com o objectivo de possibilitar a criação de “quase qualquer coisa” por qualquer pessoa. E é essa acessibilidade que oferecemos no V!VALab.


Este conceito começou no  MIT em 2005, no Centro de Bits e Átomos (CBA), e hoje em dia conta com mais de 1200 laboratórios de fabricação digital espalhados por todo  o mundo! Ser um FabLab significa estar conectado a uma comunidade global de alunos, educadores, amantes da tecnologia, investigadores, makers e inovadores, é fazer parte de uma rede de conhecimento partilhado que abrange mais de 50 países. Como todos os laboratórios partilham ferramentas e processos comuns cria-se assim um laboratório distribuído por todo o mundo para investigação e inovação.


DSC01141.jpg